domingo, 28 de agosto de 2016

Rapidinhas

O Mistério da Viúva Negra (Bob Rafelson/1987): indicado para quem aprecia suspenses sem o menor resquício de tensão ou mistério. A narrativa apenas segue de um ponto a outro, escrava do roteiro, mecanicamente. A única cena em que a protagonista é colocada em perigo pode ser telegrafada a distância. O jogo de gato-e-rato entre a investigadora e a predadora de maridos ricos geraria maior interesse se a rígida Theresa Russell fosse uma atriz do calibre de sua contraparte Debra Winger, capaz de extrair sumo de um papel pouco desenvolvido. 

Uma Noite de Crime: Anarquia (James DeMonaco/2014): foram-se o suspense e a crueldade do primeiro, dando lugar a tiroteios típicos de alguma fita de ação de segunda categoria, doses galopantes de maniqueísmo contra as ditas "elites" e lições básicas de moral sobre poupar vidas, ajudar pessoas em perigo, unir-se em face da adversidade etc. O filme é como um cão que ladra, mas não morde. Ainda assim, o conceito permanece poderoso, Frank Grillo sabe combinar dureza e decência no papel principal, e a estrutura tripartite do início funciona bem.   

2 comentários:

  1. "O Mistério da Viúva Negra" é realmente apenas razoável, mas Rafelson deixou bons filmes como "O Destino Bate a Sua Porta" e "Montanhas da Lua". Por estar aposentado há bastante tempo, hoje é um diretor praticamente esquecido.

    A terceira parte de "Uma Noite de Crime" tem um nível semelhante a este que você comenta. Diverte, mas não pode ser levado a sério. E ainda deixou um gancho para outra sequência.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nem sabia que Rafelson ainda está vivo...

      Quero ver o novo 'Noite de Crime', mas se realmente for do nível deste segundo, vou diminuir bem as expectativas.

      Cumps.

      Excluir