sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

QUE HORAS ELA VOLTA? (Anna Muylaert/2015)

A linha invisível a separar classes sociais na relação doméstica/patrão. Civilidade de fachada de quem paga o salário; submissão voluntária a pequenas humilhações diárias de quem o recebe. Tolerância baseada tão-só em necessidade mútua. A capacidade de observação comportamental e o jogo de cena econômico de Muylaert lembram Mike Leigh. Cuidadosamente encenado, fazendo pleno uso do widescreen, o filme, nas cenas iniciais, apresenta a protagonista relegada ao fundo e aos cantos do quadro, simbolizando seu status inferior na casa para a qual trabalha há anos. A dinâmica entre mãe e filha garante uma tardia camada de profundidade emocional ao enredo. Engraçado, perspicaz, incômodo. [Info

Um comentário:

  1. Legal sua comparação do estilo da diretora com os trabalhos de Mike Leigh.

    Realmente é um belo filme sobre relacionamentos como patrão/funcionário, pais/filhos e casais.

    Nem mesmo a presença da insuportável Regina Casé atrapalhou o filme.

    Abraço

    ResponderExcluir