quarta-feira, 18 de novembro de 2015

PRECISAMOS FALAR SOBRE O KEVIN (Lynne Ramsay/2011)


Um conto de precaução (cautionary tale) apresentado de modo a lembrar uma alegoria de horror psicológico, sobre como a ausência de afeto de uma mãe despreparada, desde o período de gestação, pode impactar negativamente a formação da personalidade da cria rejeitada. Ela se faz presente de corpo na vida do filho, mas o garoto sente um abismo entre si e a genitora, ausente em espírito, coração distante, de solicitude forçada, superficial. 

Pode-se levantar indagações a respeito da atribuição unilateral de culpa à indiferença de Eva pela psicopatia da criança; roteiro e direção sinalizam uma abordagem estilizada da premissa, que se desenvolve através de simbolismos (atenção às aparições pontuais da cor vermelha), sem pretensão de aderir ao realismo. O filme parece inapropriado para interpretações ao pé da letra. Literal, apenas, o sentimento de desconforto e perturbação que ele causa. [Info

3 comentários:

  1. A atuação de Ezra Miller é fria e assustadora.

    É um filme que faz pensar.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Um dos filmes mais assustadores desses últimos anos. Ezra espetacular mais uma vez.

    ResponderExcluir