sexta-feira, 20 de novembro de 2015

A BRUMA ASSASSINA (John Carpenter/1980)


Notável a consistência dos traços diretoriais de Carpenter. O Mestre do Horror comprova sua aptidão para formular uma densa aura de suspense, explorando as possibilidades da tela larga para composições de tomadas onde cada canto pode  abrigar uma ameaça. Outra marca registrada, a trilha musical sintetizada, de autoria própria, ainda que um tanto discreta quando comparada às mais famosas, sugere a importância dada por ele aos elementos sonoros – aqui, o silêncio provoca tanta apreensão quanto os efeitos de som agressivos que acompanham as aparições fantasmagóricas dos piratas condenados. Um elemento distintivo desta obra é o elenco numeroso, fornecendo diversas opções para a narrativa acompanhar em determinado momento, ausente uma única figura predominante.

Sem dispor de orçamentos gigantescos, Carpenter dribla eventuais limitações com talento; talvez nem concorde ao ouvir que a relativa falta de valores sofisticados de produção sejam parte integrante do apelo de suas obras. [Info

2 comentários:

  1. É um dos meus diretores favoritos.

    A carreira de Carpenter entre "Halloween" em 1978 e "Eles Vivem" em 1988 é fantástica, são várias clássicos de terror, ficção e suspense.

    Abraço






    ResponderExcluir