quinta-feira, 29 de outubro de 2015

NA COMPANHIA DE HOMENS (Neil LaBute/1997)


Há quem o chame de comédia de humor negro. Achar graça no festival de crueldades que dois marmanjos impõem a uma moça surda é impossível. Faz mais jus à ousadia do autor interpretá-lo como um estudo dos estragos da misoginia. Ódio e desprezo enraizados, direcionados aos membros do sexo oposto por homens tão insensíveis que beiram a sociopatia (caso do engravatado arrogante de Aaron Eckhart) ou replicados por indivíduos sem pensamento próprio, anuentes com o machismo predominante (o tímido Matt Malloy). 

As motivações da agressão psicológica variam, mas podem se resumir a um simples esporte-passatempo, um divertimento à custa da dignidade alheia. Machucar por machucar, sistemática e impunemente, o gênero que dá à luz, educa e ama os algozes. Não necessariamente mediante violência física, anote-se: a demolição insidiosa, mirada nos sentimentos da vítima, tampouco deixa pedra sobre pedra. O filme, difícil de propósito, busca o incômodo no lugar de moralismo apaziguador. [Info

2 comentários:

  1. Perfeito, o filme é muito mais sobre crueldades psicológicas do que humor negro.

    Foi um promissora estreia do diretor Neil LaBute, mas infelizmente a sequência de sua carreira se mostrou irregular.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Divulgação gratuita de sites e blogs


    http://maistrafego.mobie.in

    ResponderExcluir