quarta-feira, 14 de outubro de 2015

CREPÚSCULO DOS DEUSES (Billy Wilder/1950)

Enlouquecida pelo ostracismo, portando-se na vida privada como se ainda fosse a grande estrela do cinema de décadas atrás, Norma Desmond gesticula afetadamente, coloca-se em posturas dramáticas, esbugalha os olhos tal qual uma heroína de filmes mudos. Declama frases de efeito, carregadas de afagos ao próprio ego. A ligação dela com a realidade parece tênue. Alimenta a alma com as glórias do passado distante. Uma personagem indelével, femme fatale envelhecida, porém não menos trágica, vitimada pelas circunstâncias. Wilder fez história neste noir de atitude cínica em relação à máquina hollywoodiana, que cria divas e astros da noite para o dia, espreme-lhes cada centavo de suor e talento, então abandonando-os à sorte quando sua imagem deixa de ser atraente para as plateias. [Info

Nenhum comentário:

Postar um comentário