domingo, 5 de julho de 2015

A GRANDE BELEZA (Paolo Sorrentino/2013)

Espécie de releitura contemporânea de A Doce Vida: jornalista veterano entediado trafega na alta sociedade romana, notando com olhar blasé a superfluidade e a hipocrisia das festas intermináveis, dos passatempos vazios, dos jantares onde muito se fala e pouco é dito, dos relacionamentos desapaixonados, da exaltação das coisas sem sentido. Mas basta olhar além da decadente vulgaridade do círculo elitista no qual se encontra voluntariamente atolado para vislumbrar beleza em lugares inesperados. O ritmo do filme é plácido; o senso de humor, fundado na observação irônica do absurdo com o qual se depara o protagonista. A fotografia pinta e borda com a arquitetura pictórica da capital italiana. Há quem considere o tom crítico de Sorrentino pedante; para outros, ilumina as ideias enquanto agrada aos olhos. [Info] ★★★★

2 comentários:

  1. Mais um filme que ainda não assisti.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. não é um filme dos mais fáceis... apesar de possuir várias sequências inspiradas. dei uma nota 7 para ele, mas ainda tenho a intenção de reve-lo para consolidar a opinião!

    a comparação com a doce vida não tem como não ser feita, de fato.

    ResponderExcluir