segunda-feira, 9 de março de 2015

STALKER (Andrei Tarkovsky/1979)


Uma experiência difícil, que demanda compenetração da mente ativa, montada a partir de planos longos e silenciosos, ritmo vagaroso, extensos debates filosóficos, aberta a interpretações. O público, estimulado pelo futuro desolado, de aspecto pós-apocalíptico levado à tela por Tarkovsky, deve entender que a ambientação sci-fi serve apenas como pano de fundo propiciador de ponderadas reflexões sobre os recônditos da psique humana. 

Descrever o filme roubaria o prazer da descoberta; mais interessante é oferecer uma leitura básica desse material à de início tão impenetrável. Levando em consideração que Tarkovsky era um homem de orientação religiosa, cristã russo-ortodoxa em particular, soa apropriado identificar no pleito dos personagens o desafio de entregar-se de corpo e alma aos mistérios da fé, num turbilhão íntimo em que se entrechocam crenças e racionalidade, certezas e dúvidas, esperança e desespero. 

Seguindo a tradição de Solaris, a ação empreendida no mundo exterior metaforiza a verdadeira jornada espiritual. [Info] ★★★

2 comentários:

  1. É um daqueles filmes que na época do VHS eu via toda semana na locadora e sempre deixei para alugar depois.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois se alugar ou comprar o DVD hoje vai ser a mesma coisa que ver em VHS, pois a qualidade de imagem é pavorosa. Melhor esperar sair em Blu-ray, o que acontecerá até o fim deste ano, na Europa.

      Excluir