terça-feira, 17 de março de 2015

PONTYPOOL (Bruce McDonald/2009)


Quase totalmente confinado a um único cenário - a estação de rádio de Liverpool, Canadá -, tratando de eventos aludidos via diálogos em vez de mostrados em tempo real, estrelado por quatro personagens principais, Pontypool é um exercício de minimalismo, algo notável para um eficiente thriller

Tarefa ingrata comentar a respeito pois, com o perdão da manobra evasiva clichê, quanto menos souber da trama, melhor. Basta certificar os curiosos de que o filme dá nova roupagem a um subgênero desgastado do horror, popular desde o final dos anos 60. Não há grandes emoções, sim, mistério e expectativa, temperadas com generosas doses de humor nervoso, cortesia do velho radialista sem papa na línguas que encabeça o elenco. 

McDonald exige sobretudo a atenção dos ouvidos da plateia, embora o aspecto visual seja igualmente controlado, limitado por conta da natureza claustrofóbica da ambientação. Em última análise, um entretenimento fora do circuito mainstream voltado às sementes da violência contidas no discurso falado, capazes de ensejar a discórdia. [Info] ★★★

2 comentários:

  1. este me parece uma abordagem um tanto diferente para o gênero. me lembro vagamente de ter lido alguns comentários positivos há alguns anos.

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o filme.

    Gostei da dica, vou procurar.

    Abraço

    ResponderExcluir