terça-feira, 24 de março de 2015

LENNY (Bob Fosse/1974)


Lenny Bruce, se vivo estivesse, expressaria a mesma indignação que lhe rendeu a fama nos palcos americanos dos anos 50 e 60. O politicamente correto insiste em empobrecer a linguagem; o falso moralismo impede que tópicos urgentes entrem em pauta para o debate social. Imaginariam os realizadores deste filme que, meio século depois, a mensagem sobre liberdade de expressão e a denúncia da hipocrisia do poder público seguiriam relevantes? 

Fosse emprega o preto-e-branco pela primeira na carreira, valendo-se dos habituais cortes enérgicos e precisos ao intercalar as turbulências pessoais do casal Lenny-Honey com os números de stand-up em que o comediante desbocado radiografava os recalques do comportamento humano. A maneira como o roteiro informa o conteúdo dos shows de Lenny a partir de suas complicadas experiências conjugais e familiares permite a formação do retrato de um homem ciente tanto dos próprios erros individuais quanto das contradições da sociedade (afinal, um espelha o outro). 

Ao contrário de opressores verbais travestidos de propagadores da verdade, Bruce abusava da obscenidade visando a fins construtivos, tal qual um agressivo psiquiatra das multidões, um desbocado ombudsman da América. Fosse, controlado e investido no estudo de personagem, honra a memória do biografado ao entender as intenções dele, evitando enquadrá-lo feito um anarquista em busca de confusão - ao contrário do sistema judicial, policial e midiático da época. [Info] ★★★

6 comentários:

  1. nunca vi esse filme, mas tenho curiosidade nele a tempos. é muita coisa para se assistir, quem sabe um dia...

    ResponderExcluir
  2. Gustavo, faz tempo que procuro este filme. Você encontrou onde? Em DVD ou na internet?

    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Eu sou retardado pra assistir esse filme, mas nunca encontro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saiu em DVD no Brasil, e como tem em Blu-ray no exterior, deve ter pra baixar também.

      Excluir