terça-feira, 10 de março de 2015

BUSCA IMPLACÁVEL 2 (Olivier Megaton/2012)


Mais encorpado que o original no quesito dramaticidade, por estarmos familiarizados não só com o protagonista, mas também com sua ex-esposa e filha, que agora participam ativamente da ação. Pode-se investir o emocional no trio de personagens, preocupar-se com o destino deles. Um ponto negativo poderia ser o desgaste do fator novidade, comum à maioria das continuações, porém o Busca Implacável de 2008 já era tão derivativo e convencional que, para utilizar tal argumento, eventuais detratores desta sequência teriam que fazer malabarismos de retórica a fim de sugerir ineditismos conceituais no longa assinado por Pierre Morel. 

As cenas domésticas plantadas no começo - demonstrando os anseios românticos (e automobilísticos) da garota, a preocupação paranoica do pai e o limitado papel de ponte entre os dois reservado à mãe - não convencem, parecendo uma obrigação artificial cuja função limita-se a servir de trampolim à tensão, às perseguições e ao tiroteio que eclodirão em seguida do outro lado do Atlântico, em Istambul. A partir daí Megaton arregaça as mangas, concentrando-se na tarefa de transmitir adrenalina, suspense e insegurança ao público. [Info] ★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário