terça-feira, 27 de janeiro de 2015

O MEDO DO MEDO (R.W. Fassbinder/1975)

fgfcgdIngmar Bergman exercitava dotes teatrais frente à câmera em chamber dramas cuja intensidade era inversamente proporcional às dimensões dos sets onde se desenrolavam. O sueco, contudo, não detinha a exclusividade desse formato: Fassbinder explora as sensações de confinamento espacial e repetição visual do claustrofóbico apartamento da esposa negligenciada e mãe ansiosa vivida por Margit Carstensen, servindo de catalisadores externos a agravar a crise nervosa e metáfora da rotina oprimida pelas obrigações familiares. Rodado para a TV em aspecto de tela 1.33, favorecendo planos fechados. [Info] ★★★

2 comentários:

  1. Fassbinder não apenas é um diretor genial, mas também de títulos maravilhosos, como é o caso deste e de tantos outros, notadamente "Num Ano de 13 Luas", "O Medo Devora a Alma" ou "As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant". Margit Carstensen é melhor atriz que aquela que acabou se tornando a mais conhecida de suas intérpretes, Hanna Schygulla.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo totalmente, Carstensen é melhor, mais expressiva e mais versátil.

      Excluir