quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

O HOMEM DO BRAÇO DE OURO (Otto Preminger/1955)

te4trrtregf
Pioneiro na abordagem cinematográfica comercial do vício em drogas, desafiou o famigerado Código de Produção vigente na autocensurada Hollywood dos anos 50. Não há tomadas de agulhas perfurando a pele – o que confere pungência a este drama de denúncia social é a fraqueza de caráter e as constantes recaídas do personagem de Frank Sinatra, pobre carteador recém-saído da clínica de desintoxicação, objeto de suspeita da polícia local, peão nas garras dos organizadores de jogos ilegais e traficantes do bairro. Infelizmente, o roteirista julgou apropriado fazer uso de um apatetado coadjuvante para alívio cômico. Memorável a trilha de Elmer Bernstein, com arranjos vibrantes de jazz. [Info] ★★★

2 comentários:

  1. É difícil acreditar que este filme tenha sido liberado pela censura americana na época.

    Foi o primeiro longa a abordar o vício em drogas injetáveis de forma direta.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. puta filme...Preminger driblou o Breen Office e lançou o filme mesmo sem o selo de aprovação do mesmo, mas a temática era tão escandalosa que suscitou a curiosidade de muitos e mesmo não tendo sido lançado nos cinemas de maior faturamento por causa de não possuir o selo, tornou-se um sucesso comercial.

    ResponderExcluir