sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

A TEORIA DE TUDO (James Marsh/2014)


Tentador diminuir o filme por engrossar o rol das biografias convencionais, decorosas, feitas para acumular estatuetas douradas. No entanto, A Teoria de Tudo ilude apenas quem está predisposto a encontrar uma confecção careta de prestígio: no lugar de um panorama exaustivo das conquistas acadêmicas de Stephen Hawking, o roteiro inverte as prioridades, dando primazia à história de amor e ao casamento do físico britânico com Jane. A mistura de gêneros surpreende - romance, 'biopic', drama conjugal. 

É um feito admirável de equilíbrio na escrita, traçando erros e acertos de duas pessoas apaixonadas que embarcam ainda jovens numa união duradoura com as melhores intenções de honrar um ao outro, mas cuja convivência se desgasta pela dificuldade em sustentar a harmonia de uma família enquanto uma doença devastadora sobrecarrega marido, esposa e filhos. Ideais fantasiosos de felicidade plena sucumbem aos obstáculos impostos pela dura realidade, embora a sinceridade dos sentimentos nutridos entre eles permaneça intocada pelo rancor, mesmo quando terceiros passam a figurar na relação. 

Uma produção que favorece um entendimento amadurecido de peculiaridades humanas, valorizada pelo comprometimento dos ótimos Eddie Redmayne e Felicity Jones. [Info] ★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário