quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

O SONHO DE CASSANDRA (Woody Allen/2007)


Nos raros dias de temperamento criativo soturno, Allen abandona a tagarelice da serendipidade cômico-romântica para estudar a criminalidade, o livre arbítrio, a moralidade, o destino e a ambição. Seguindo a cartilha de Match Point (o qual retrabalha as preocupações temáticas de Crimes e Pecados), descortina as consequências de atos imprudentes e as ironias da vida de dois irmãos que cometem um assassinato para fugir de uma enrascada. 

Mesmo demorando para engrenar, assim que Tom Wilkinson dá as caras e impõe um dilema grave para os rapazes, Allen intensifica o relato, novamente provando infundadas as críticas que insistem em considerá-lo um metteur en scène preguiçoso. O diretor exibe aptidão para o suspense (embora antiespetacular), extrai uma performance de inédito comprometimento de Colin Farrel na pele do pobretão em crise de consciência e aplica com propriedade a densa música de um colaborador inusitado, Philip Glass. [Info] ★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário