terça-feira, 16 de dezembro de 2014

O ENIGMA DE OUTRO MUNDO (Matthijs van Heijningen Jr./2011)


Prós: o cameraman não sofre delirium tremens, permitindo ao público reter as imagens e situar os personagens no quadro. Estabilização e elegância visual têm valor quando se trata de suspense. O editor, aleluia, tampouco padece de TDA/H, evitando reduzir cada plano a míseros dois ou três segundos – desorientação e cortes ‘piscou-perdeu’ têm vez nas franquias Bourne e Transformers, diferentemente de títulos orientados pela tensão. Trechos da trilha de Morricone são utilizados, reafirmando o elo com a versão de 1982.

Contras: personagens mal delineados individualmente dificultam a torcida. Os chocantes efeitos práticos de Rob Bottin de 30 anos atrás foram substituídos por computação gráfica que nem sempre convence. O clímax escancara o elemento sci-fi da premissa, no entanto, sua execução parece derivativa para quem tiver extensa quilometragem no gênero.

Saldo: uma “pré-quência” que entretém enquanto dura, sem brilhar por si mesma, nem desonrar a memória do predecessor. [Info] ★★★

4 comentários:

  1. O filme de Carpenter é sensacional, ainda não bem que preferiram fazer um prequel do uma refilmagem.

    Eu gostei como diversão passageira e acredito que a nova geração que não conhece o filme de Carpenter tenha gostado um pouco mais por não existir a comparação.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. este não vi e tb gosto bastante do filme do carpenter. me lembro te ter lido outros reviews favoráveis...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recomendo, mas só como curiosidade e entretenimento.

      Excluir