quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

FIM DOS TEMPOS (M. Night Shyamalan/2008)

xcvftdtybdgdfNeste thriller apocalíptico sobre a vingança invisível da Mãe Natureza contra os maus tratos do Homem, personagens têm o perfil traçado em linhas mais grosseiras do que em O Sexto Sentido. Laços que motivam a interação entre eles se mostram tênues, ao contrário de A Vila. O arranjo de cenas e a câmera ficam aquém da sofisticação de Corpo Fechado. Ausentes a carga emotiva e a mensagem edificante de A Dama na Água. A inquietação a qualificar o suspense de Sinais brota em intervalos esparsos, atenuada.

Tomadas fluidas, número limitado de cortes, música elegantemente aterradora, fotografia discreta, ritmo parcimonioso, premissa inusitada, diálogos pouco naturais, humor desajeitado, elenco contido (exceto, por necessidade, Betty Buckley) definem.

Suprimidas explicações concretas para os fenômenos estranhos que induzem as pessoas ao suicídio em massa, Shyamalan fornece um mínimo de contexto ao público por meio de rádios e televisores espalhados pelos cenários. Os agentes do medo ganham identidades insuspeitas, como o farfalhar das plantas ao vento. Um cineasta capaz de conjurar apreensão de simples paisagens verdejantes merece cumprimentos. [Info] ★★★

2 comentários:

  1. Também considero um filme interessante, que assusta em alguns momentos.

    Shyamalan tem a seu favor ser um diretor original, que sempre busca histórias diferentes para contar.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, mas ainda espero novos filmes do nível dos primeiros... Quem sabe algum dia...

      Excluir