terça-feira, 18 de novembro de 2014

SEXY BEAST (Jonathan Glazer/2001)


A história? Batida: gângster aposentado é recrutado contra a vontade para um último golpe. A encenação? Estilosa, distinta, surpreendente.

Graças ao estreante Jonathan Glazer e ao gigante Ben Kingsley, Sexy Beast se diferencia de incontáveis outros thrillers voltados à criminalidade. Nas mãos desses artistas, ganham espaço a tensão controlada, o humor surreal e uma gama de floreios estilísticos que conferem individualidade ao relato.

O protagonista (Ray Winstone) é inusual: criminoso reformado, nada cínico, amoroso, tranquilo, dotado de um intelecto apenas razoável, capaz de tremer feito vara verde na presença dos ‘superiores’. Suas fracassadas tentativas de recusar o ultimato disfarçado de convite, comunicado pelo pavio-curto Kingsley, rendem confrontos verbais eletrizantes – aliás, o veterano de Gandhi compõe um vilão ao mesmo tempo patético e ameaçador, merecidamente indicado ao Oscar. [Info] ★★★

2 comentários:

  1. Li na net que Ben Kingsley disse ter se baseado no seu avô para criar o personagem e se isto for verdade é provável que até hoje ele tenha pesadelos com o sujeito.

    Abraço

    ResponderExcluir