segunda-feira, 10 de novembro de 2014

MELANCOLIA (Lars Von Trier/2011)

Críticos arguiram que Melancolia é antes de tudo um drama; o elemento de ficção científica ocupa o banco de trás em face do estudo semi-autobiográfico de Von Trier sobre a depressão. Se a meta do dinamarquês envolvia a representação de um estado de espírito de profunda e incapacitante tristeza, ele a alcançou.

Optando pela introversão, ao contrário das tragédias vistas em Ondas do Destino e Dançando no Escuro, Trier funde imagens belíssimas a sentimentos negativos (rancores aflorados justo numa festa de casamento) e desesperançosos (a convicção da protagonista de que a Terra é má e estamos sós no universo). O desacordo entre a forma (belíssima) e o conteúdo (desagradável) propicia o distanciamento do público - o filme não ambiciona arrancar fortes emoções, preferindo registrar a existência estéril de pessoas infelizes. [Info] ★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário