domingo, 2 de novembro de 2014

HOOK – A VOLTA DO CAPITÃO GANCHO (Steven Spielberg/1991)


É uma fantasia! Uma comédia! Uma aventura! Uma bagunça…

Com esforço, pode-se vislumbrar o que Spielberg almejara quando assumiu as rédeas do projeto: enfeitiçar a gurizada e comover os crescidos, oferecendo sua versão do supremo conto sobre a criança que permanece em nós mesmo depois de adultos.

O suposto coração do enredo – as tentativas do pai omisso de se reconectar ao filho ressentido – fica à mercê da ostentação cenográfica carnavalesca, da narrativa atabalhoada, da metragem exaustiva e da participação rouba-cena de Dustin Hoffman travestido de Capitão Gancho.

Seria Hook o único fracasso artístico do diretor? Deslumbrado pelo orçamento inchado, alheio à inaptidão para a comédia rasgada, Spielberg ficou refém do roteiro genérico, incapaz do passe de mágica pelo qual ganhou fama: transmutar sentimentalismo açucarado em autêntica emoção. [Info] ★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário