domingo, 5 de outubro de 2014

UMA RUA CHAMADA PECADO (Elia Kazan/1951)

O cinema é capaz de sugerir, privilegiar a imaginação, como prova a primeira colaboração entre o dramaturgo Tennessee Williams e Elia Kazan. Rompendo com o antigo fetiche da velha Hollywood de gravitar em torno do glamour da alta sociedade, a dupla nos embrenha junto à “prole”. Marcante a expressão de desejo gravada no olhar de Kim Hunter ao retornar para seu marido, assim como a abordagem de variadas espécies de tensão (sexual, de classe), ninfomania, loucura, solidão. Vivien Leigh e Marlon Brando, praticantes de métodos de atuação distintos, arrasam. [Info] ★★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário