domingo, 12 de outubro de 2014

TROPAS ESTELARES (Paul Verhoeven/1997)


O futuro imaginado por Verhoeven (baseado em Robert A. Heinlein) é próspero só na aparência. Um olhar detido vislumbrará – e questionará – a estranha assepsia que mascara nuances sociopolíticas um bocado perturbadoras. A cidadania é obtida ao completar o serviço militar; o militarismo estende-se às salas de aula; informes constantes divulgam um enviesado coquetel de ufanismo e incitação ao ódio a “alienígenas” oriundos de um planeta rochoso (já interpretados como dublês dos inimigos do império estadunidense situados no Oriente Médio). Sob o comando do general holandês Verhoeven, o que poderia resvalar na literalidade cede lugar a alfinetadas satíricas num hipotético governo fascista.

Àqueles cuja preocupação ao colocar o disco na bandeja se resume a entretenimento descartável, um alento: o espetáculo (belicoso, violentíssimo), aliado ao senso de humor escrachado, resistiu à passagem do tempo. [Info] ★★★★

2 comentários:

  1. concordo totalmente. este filme resistiu muito bem a passagem do tempo. entretenimento com qualidade, coisa para poucos. dá pra ver e rever sem enjoar. pena que as continuações não tiverem nem de longe a mesma eficiência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem cheguei a ver as continuações, parecem toscas!

      Excluir