quinta-feira, 23 de outubro de 2014

TOMMY (Ken Russell/1975)


A sinopse, transplantada do IMDb: “um menino psicossomaticamente surdo, mudo e cego se torna um jogador de pinball e objeto de um culto religioso por causa disso”. Imagine o espectador a premissa anódina expandida como uma rock opera 100% musicada, álbum e letra de The Who, dirigida pelo maître fou Ken Russell.

A entrega incondicional de Russell ao estilo livre de encenar e editar empolga pela inventividade, quando não está próxima de induzir a crises epiléticas devido aos excessos. A música de Pete Townsend ora faz bater os pezinhos acompanhando o ritmo, ora faz querer tampar os ouvidos em desespero. Tommy: amar e odiar. [Info] ★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário