domingo, 19 de outubro de 2014

POSEIDON (Wolfgang Petersen/2006)

No quesito substância, Poseidon não almeja a profundidade. Os executivos da Warner tinham meta$ diferente$ de ‘seriedade temática’ ou ‘relevância artística’ ao aprovar o orçamento de 165 milhões. Pagar para ver esta aventura-catástrofe equivale a comprar um bilhete para a montanha-russa num parque de diversões. Wolfgang Petersen abraçou o escapismo inerente ao material, aplicando-lhe suas habilidades como especialista em coordenar megaespetáculos. O resultado é um thriller de sobrevivência de cortar a respiração, capaz de maravilhar – vide o plano-sequência de abertura, um milagre de imagens computadorizadas que beiram a perfeição. [Info] ★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário