sexta-feira, 31 de outubro de 2014

PERFUME DE MULHER (Martin Brest/1992)

Pacino galvaniza a tela, monopolizando a atenção de quem assiste. Brest optou por não interferir com floreios estilísticos ou ousadias narrativas. Fixa a câmera a média distância de Pacino e Chris O’Donnell, subordina a montagem a alternâncias básicas de tomadas de ação/reação.

Não fosse o oscarizado trabalho do veterano ator – responsável por tornar fascinante um personagem detestável, carismático, virtuoso, sombrio – este alongado drama sobre amadurecimento e amizade transformadora implodiria num novelão travestido de cinema. [Info] ★★★

2 comentários:

  1. O grande destaque é atuação de Pacino. Tenho curiosidade para conferir o original italiano com Vitorio Gassman.

    Abraço

    ResponderExcluir