sábado, 11 de outubro de 2014

PAI E FILHA (Yasujiro Ozu/1949)

Sob a placidez de ritmo e discrição de Ozu jaz uma poderosa história ancorada em sentimentos não exteriorizados, colocados à prova, envolvendo lealdade filial, sacrifícios pessoais, atritos entre gerações, convenções sociais. A rotina, o mundano, a convivência familiar têm seu encanto para o diretor. Utilizando planos estáticos precisamente enquadrados, encadeados com clareza, ao som de uma lírica trilha musical, o diretor mantém o interesse aceso, além de fazer brotar, talvez sem o espectador perceber de imediato, emoções profundas e insights intimistas. Detendo-se no particular, Ozu abrange o universal. [Info] ★★★★★

3 comentários:

  1. Ozu é um diretor que ainda não conheço o trabalho, apesar de ter lido muito elogios pela carreira.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Demorei a conhecê-lo, e a paixão não foi imediata, mas vendo vários filmes dele a admiração começa a bater.

      Excluir