sábado, 18 de outubro de 2014

INDIANA JONES E O REINO DA CAVEIRA DE CRISTAL (Steven Spielberg/2008)


Quando Spielberg declarou que iria brindar os fãs com algo divertido após a amargura de Munique, ele deveria ter sido mais específico: IJ4 se comunica antes com os conhecedores da sua filmografia do que com os fãs do professor/arqueólogo/aventureiro. A trilogia clássica bebeu da fonte dos seriados de ação dos anos 30; A Caveira de Cristal homenageia as ficções científicas baratas da década de 50. Tornou-se um objeto estranho na atual conjuntura do gênero, definido em estética por Greengrass (desorientação espacial, cortes rápidos) e caracterização por Nolan (densidade psicológica).

Caso fosse o último filme de Spielberg por causa de uma aposentadoria repentina, Caveira de Cristal constituiria um epitáfio sumarizador de inclinações temáticas pessoais (pais ausentes, dinâmica familiar problemática, aliens), aqui apresentados com todo o know-how por ele acumulado ao longo de quase meio século no posto de fabricante de sonhos em película. Ironia acidental ou proposital, o artefato em disputa no enredo de George Lucas é, justamente, o conhecimento. [Info] ★★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário