quarta-feira, 15 de outubro de 2014

HARRY POTTER E A ORDEM DA FÊNIX (David Yates/2007)


Potter continuou amadurecendo, encarando responsabilidades e desafios que aparecerão no caminho de todo futuro adulto – tal qual os fãs que adolesceram no ritmo do ídolo fictício. A cinessérie bilionária acompanhou, sincronizada, essa evolução temática e emocional.

Distante da aura pueril das introduções de Chris Columbus, dando seguimento à escalada em intensidade perceptível nos capítulos intermediários comandados por Alfonso Cuarón e Mike Newell, o britânico Yates recorreu à sua área prévia de especialidade (dramas televisivos politizados) para situar Harry e cia. num mundo mágico ao qual talvez hesitemos desejar pertencer. A insegurança impera, a desconfiança dos próximos induz ao isolamento, tendências fascistas de repressão à liberdade penetram a imprensa e as escolas, corações são partidos. Por meio da fantasia, vislumbramos ecos da realidade.

A Ordem da Fênix é dark, impactante. E conta com duelos de magia dignos de figurar entre os mais extraordinários gravados em celuloide. [Info] ★★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário