quarta-feira, 1 de outubro de 2014

CRIMES E PECADOS (Woody Allen/1989)

Allen rumina sobre a relatividade de valores morais, bifurcando a narrativa entre uma linha cômica e outra dramática, temperadas com suspense e romance, que irão confluir no desfecho. Semeando reflexões existenciais inquietantes, Allen sugere, por exemplo, que um assassino pode, sim, dormir em paz, tendo assimilado o cometimento de um ato terrível. Alguém acredita que, na realidade, criminosos passam a noite em claro, esmagados pela culpa? Remorso, troco do destino, justiça poética – tábuas de salvação hollywoodianas artificiais, segundo a ótica do autor nova-iorquino. [Info] ★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário