terça-feira, 7 de outubro de 2014

BLADE RUNNER – O CAÇADOR DE ANDRÓIDES (Ridley Scott/1982)

Convém reservar para oportunidades futuras a obrigatória rasgação de seda dedicada à magnificência audiovisual obtida pelo time liderado por Scott. Caso os valores de produção fossem os únicos trunfos de Blade Runner, o filme não gozaria do atual status de pedra angular da ficção científica filosófica. A jornada existencial dos replicantes em busca do seu criador, impelida pelo sentimento de finitude diante da reduzida expectativa de vida que lhes fora imposta, é imbuída de inequívoco humanismo. Desconcertante paradoxo. [Info][Final Cut] ★★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário