sábado, 18 de outubro de 2014

A LIBERDADE É AZUL (Krzysztof Kieslowski/1993)

Julie Vignon (Juliette Binoche) enfrenta o luto. Busca fugir das lembranças do passado, paralisada pelo estado de choque emocional. Por fim, alcançará aceitação, resignação, conciliação – uma conquista de liberdade (representada pela cor azul na bandeira francesa, também associável à tristeza). Formalmente hipnótico, contido ao investigar angústias internalizadas, o filme evita a chuva de lágrimas adocicadas que telenovelas e dramalhões ruins empurram goela abaixo nas plateias. Bleu pertence ao circuito arthouse, sem remorsos. [Info] ★★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário