quinta-feira, 9 de outubro de 2014

A GRANDE TESTEMUNHA (Robert Bresson/1966)

Espectadores desacostumados com Bresson podem achá-lo enfadonho, sisudo, seco. Quem estiver receptivo a uma voz artística idiossincrática travará contato com o expoente de uma linhagem de arautos da “pureza” fílmica que abrange desde Dreyer até os irmãos Dardenne. Perito em excisar gorduras da narrativa, tornando-a elíptica, nunca confusa, Bresson ata o singelo ao inusitado para alcançar o transcendental, o sublime, mostrando a dura existência de um burrinho de carga, testemunha muda e vítima impassível dos pecados de seus mestres humanos. [Info] ★★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário