quinta-feira, 30 de outubro de 2014

A FÚRIA (Brian De Palma/1978)


Como explicar quando a pessoa se mostra incapaz de apreciar um filme despretensioso, cuja meta se restringe à diversão, longe de buscar o status de obra de arte?

De Palma dá de ombros à seriedade. Sua filmografia prima pelo exagero, por vezes tratando de modo satírico os gêneros que favorece, expondo as maquinações do thriller, horror ou erotismo enquanto as subverte. O resultado, via de regra engenhoso e audaz, culmina em pérolas desconcertantes (Dublê de Corpo, Síndrome de Caim, Dália Negra).

Ocorre que neste caso o ridículo ganha dimensões literais. Partindo da presença tristemente ridícula de Kirk Douglas até culminar no desfecho histérico, sem falar nas performances duvidosas (exceto John Cassavetes), A Fúria naufraga na condição de programa classe B. Talvez porque De Palma fora encorajado pelo estúdio a dirigi-lo a toque de caixa, visando à recente onda de sucesso levantada pela rentável obra-prima Carrie. [Info] ★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário