domingo, 14 de setembro de 2014

OS INDOMÁVEIS (James Mangold/2007)


Mangold enfoca o elo involuntário formado entre um rancheiro (Bale, emanando uma dignidade humilhada) e um fora-da-lei (Crowe, galante e sanguinário). Sem esses atores o resultado teria perdido em eficácia.

O embate entre ambos, permeado por lampejos de admiração mútua inconfessa, adota os moldes de enredos valorizadores da interação entre protagonistas, como O Silêncio dos Inocentes. Outro paralelo com o neoclássico de Jonathan Demme: a figura de Crowe, ocupando o posto de Anthony Hopkins, um vilão capaz de perpetrar atrocidades enquanto cativa com intelecto e carisma. Caso alguém sinta falta de um malfeitor sem zonas cinzentas na personalidade, basta atentar para Ben Foster, braço direito de Crowe no comando do bando selvagem, em composição intimidante.

São cuidados convertidos em elementos dramáticos de qualidade, que não se exaurem, ao contrário de historietas chinfrins subordinadas a reviravoltas ou intermináveis cenas de bangue-bangue. [Info] ★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário