domingo, 28 de setembro de 2014

INVERNO DE SANGUE EM VENEZA (Nicolas Roeg/1973)


Intenso, realizado por um artista disposto a desbravar as possibilidades da gramática cinematográfica, ostensivamente elíptico (o tour de force editorial na arrepiante abertura prenuncia uma obra-prima do horror), o filme estimula a intuição, induzindo quem assiste a interligar eventos estranhos, à primeira vista desconexos. O clima fantasmagórico e agourento abarca premonições, serial killers, fantasmas, incidentes, vidência. Roeg pinta lindas telas de uma Veneza ameaçadora. Vale a pena testar os limites dos nervos e a tenacidade do coração na esperança de solucionar a charada, encapuzada de vermelho. [Info] ★★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário