segunda-feira, 15 de setembro de 2014

IMPÉRIO DOS SONHOS (David Lynch/2006)

Três horas labirínticas, oníricas, desorientadoras. Pesadelo sem filtragem das profundezas do inconsciente ‘lynchiano’. A aparente ausência de lógica pode ser suprida na cabeça de cada espectador. Distorcendo-a e maleabilizando-a, Lynch liberta a experiência cinematográfica de laços que a prendam ao modelo tradicional de contar histórias, alçando-a novos patamares de abstração. Um desafiador banquete para quem anseia por programas alternativos, desassociados da ala mainstream. [Info] ★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário