quinta-feira, 25 de setembro de 2014

EM NOME DE DEUS (Peter Mullan/2002)

Se tamanha controvérsia brota pelo fato de negros reivindicarem cotas universitárias a fim de, dentre outros motivos, “reparar uma injustiça histórica” para com a “raça”, imagine a repercussão caso as mulheres decidissem segui-los, ante a barbáries imemoriais fundadas no “sexo”. Em Nome de Deus, um soco-no-estômago dirigido pelo ator irlandês Peter Mullan, serve de lembrete da força com que o gênero feminino vê suas perspectivas limitadas por uma mentalidade (machista) enraizada, solapadas pela sociedade anuente e dogmas religiosos que encorajam a discriminação, submissão e repressão. [Info] ★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário