sexta-feira, 19 de setembro de 2014

CLOVERFIELD – MONSTRO (Matt Reeves/2008)

Estreante-revelação, Reeves fez mágica. À base de “módicos” US$25 milhões, preencheu a tela com catástrofes de proporções épicas, demonstrando dotes de prestidigitador audiovisual a par das tendências estéticas da atual cartilha de ação/destruição em massa em Hollywood. O aspecto documental da montagem e da fotografia digital revigora a trama batida. Personagens cativam, a proverbial subtrama romântica também. Danem-se Roland Emmerich e seu lagartão grávido – Cloverfield preservou com honras o título de genuíno Gojira estadunidense antes da versão de 2014. [Info] ★★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário