quinta-feira, 25 de setembro de 2014

CIDADE DOS SONHOS (David Lynch/2001)


Outro delirante quebra-cabeças armado por Lynch. Tentar descrevê-lo esvaziaria a densidade do enigma para quem ainda não se aventurou por essa estrada sinuosa, alucinatória. A pista deixada à disposição de quem se voluntariar a decifrá-lo encontra-se em cenas ambientadas no Club Silencio, onde artistas apresentam-se, interrompem-se, mas a performance continua. 

Que faz Lynch, por meio do seu ofício? Mesmeriza-nos como um ilusionista macabro por um par de horas, a sessão termina… E a memória perdura na mente do espectador, junto das implicações, sensações e desafios por ela suscitados, espelhando o que ocorre no referido clube. Interpretável como representação metafórica sobre identidades fracionadas, processadas nos recônditos da psique em frangalhos de uma mulher acometida por uma crise nervosa, Cidade dos Sonhos oferece uma surreal abstração da própria experiência cinematográfica que proporciona. [Info] ★★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário