segunda-feira, 22 de setembro de 2014

AS BRUXAS DE SALÉM (Nicholas Hytner/1996)

A peça de Arthur Miller, O Cadinho, alegorizou a “caça às bruxas”, ponto culminante da histeria anticomunista nos EUA seis décadas atrás. Por sua vez, tal perseguição política recebeu a alcunha em referência a episódios históricos em que mulheres foram condenadas, sem o devido processo legal, por suspeitas espúrias de bruxaria.

A condução do inexpressivo Hytner raramente sai da zona de conforto de releituras destinadas ao consumo de massa, transcendendo a mediocridade devido ao elenco (Joan Allen, Winona Ryder, Paul Scofield) e à indignação inflamada pelo puritanismo patriarcal, superstição, ignorância e malícia. [Info] ★★★

2 comentários:

  1. Acho esse filme fantástico. Combina dramaticidade e história de uma forma acessível e informativa. A presença de Daniel Day-Lewis é vital na questão da dramaticidade.

    abraço

    marcelokeiser.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aprecio a história deste filme, talvez mais do que o filme em si. Mas não há como negar que o elenco faz diferença. Day-Lewis raramente escolhe projetos ruins.

      Cumps.

      Excluir