quarta-feira, 24 de setembro de 2014

A MOSCA (David Cronenberg/1986)

Uma mutação irreversível acomete Seth Brundle (Jeff Goldblum), cujos genes fundem-se aos de uma mosca doméstica durante um experimento científico de teleportação. Cobaia de si, o então pacato cientista frui, a princípio, de habilidades sobre-humanas. Segue-se, para asco/espanto/deleite geral, um grotesco  processo de transformação física e de temperamento. Analítico, Cronenberg enfoca, desde antes da infame metamorfose, a degenerescência moral do indivíduo: predisposição inata, efeito colateral do incidente ou ambas as hipóteses? [Info] ★★★

2 comentários:

  1. A transformação é nojenta, mas o filme é interessante, como quase todos os trabalhos de Croneneberg.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, mesmo os filmes mais fracos dele prendem a atenção.

      Excluir